About the Post

Author Information

Mario Trentim é consultor em gestão de projetos e professor do ITA, FAAP e FGV. Autor dos livros "Gerenciamento de Projetos"; "Manual do MS-Project 2010 e Melhores Práticas do PMI®"; e, "Managing Stakeholders as Clients". (http://linkedin.com/in/trentim)

Enganados pela Viabilidade

Muitas empresas requerem estudos de viabilidade antes de começarem seus projetos. Obviamente, trata-se de uma iniciativa saudável. O problema está na qualidade das estimativas, planejamento e, consequentemente, dos estudos de viabilidade realizados.

Em finanças, basicamente, o retorno de um investimento depende do fluxo de caixa, que são as receitas e desembolsos distribuídos conforme a sua ocorrência no tempo. Existem diversas maneiras de calcular a atratividade de um projeto do ponto de vista financeiro, dentre eles VPL e TIR, ambos dependentes do fluxo de caixa.

Para calcular o valor presente líquido, VPL, utilizamos alguma taxa de desconto, geralmente o custo de capital da empresa, para trazer o fluxo de caixa a valores presentes. Já a taxa interna de retorno de um projeto é aquela que faria com que o VPL fosse zero.

Obter o valor presente líquido ou a taxa interna de retorno não é difícil, desde que tenhamos os valores corretos do fluxo de caixa. O problema está nas estimativas destes fluxos. Antes de aprovar um projeto e mesmo na sua iniciação, é normal observarmos erros da ordem de 200% nas estimativas de prazo e custo. Isso ocorre porque o projeto ainda não foi completamente detalhado e compreendido, o que somente irá ocorrer na fase de planejamento. É fácil imaginar que os estudos de viabilidade financeira iniciais são completamente irreais.

Agora suponha que foi realizado um planejamento mais detalhado e obtivemos que o projeto terá custo de R$2MM e duração de 2 anos. Após a conclusão do projeto, estimamos receitas mensais de R$200k. No estudo de viabilidade, poderíamos determinar que VPLR$16MM e TIR70%. Entretanto, devido a riscos,  problemas de coordenação e outros, caso ocorra um atraso de 6 meses no projeto e isso acarrete um aumento do custo para R$3MM, os números do estudo de viabilidade mudariam drasticamente (VPLR$13MM e TIR50%).

Portanto, mesmo tendo feito um bom planejamento inicial, muitas organizações obtêm estudos de viabilidade que nunca se realizam, que não refletem a realidade. Estudos de viabilidade que não são embasados por um bom planejamento, não consideram os riscos envolvidos no projeto nem a verdadeira capacidade de execução da empresa e da equipe causam desvios na priorização dos projetos. A consequência é prejudicial à gestão do portfólio e aos objetivos estratégicos da empresa.

Imagine que estejamos escolhendo entre dois projetos com base nos seus estudos de viabilidade e indicadores de VPL e TIR. Não havendo consistência na elaboração dos estudos de viabilidade, podemos escolher o projeto com maior VPL e TIR no papel, mas que não irá se realizar. Talvez este projeto se mostre muito pior do que seria o outro projeto que foi eliminado. Sabendo disso, muitos gerentes de projetos “inflacionam” seus estudos de viabilidade para que os indicadores sejam mais favoráveis para a escolha do projeto, o que é um outro problema dos estudos de viabilidade (conflito de interesse).

A solução é utilizar lições aprendidas e histórico de projetos para melhorar as estimativas. Deve ser feito não apenas o acompanhamento do projeto de acordo com as suas linhas de base, mas também comparações entre o planejamento inicial e as alterações no escopo, tempo e custo durante a execução. A materialização dos estudos de viabilidade deve ser um indicador de gestão para a performance dos projetos e de seus gerentes.

Sugerimos, portanto, que o estudo de viabilidade seja comparado com o planos de gerenciamento de projeto e que ambos sejam acompanhados ao longo do ciclo de vida do projeto. Ao final, nas lições aprendidas teremos uma idéia mais realista da capacidade de planejamento e de execução de nossa organização.

Afinal, a empresa mais vulnerável é aquela que acredita ser capaz de realizar coisas das quais ela não é capaz. Parafraseando Sun Tzu, é preciso conhecer a si mesmo, depois ao inimigo.

Tags: , , , , , ,

to “Enganados pela Viabilidade”

  1. Caro Mario,

    Um bom e confiável Estudos e Viabilidade – Business Case – requer rigor metodológico. As alternativas não podem ser valorizados (em termso de benefício e custo) apenas de maneira deterministica.

    Não basta unicamente “utilizar lições aprendidas e histórico de projetos para melhorar as estimativas”.

    Uma boa análise de cenários ou simulação de Monte Carlo e sensibilidade também são necessárias. Se procedermos assim, evitaremos de autorizar e permitir a continuação de projetos tipo “elefante branco”.

    10 de dezembro de 2011 at 11:40 PM
  2. Mario H Trentim #

    Concordo totalmente com suas palavras, Farhad.

    A idéia do artigo é chamar a atenção para o problema de estudos de viabilidade “excessivamente otimistas”, talvez ingênuos ou propositais.

    Certamente, um bom estudo de viabilidade envolve mais do que boas estimativas, histórico e lições aprendidas. Envolve antever o futuro, ao menos fazer simulações, análise de cenários e até mesmo estabelecer o ciclo de vida do projeto usando stage-gates corretos, por exemplo.

    A viabilidade técnica é mais importante ainda do que a viabilidade econômica, decorrência da primeira.

    Grande abraço!

    13 de dezembro de 2011 at 5:48 PM
  3. I’ve just lately began a blog, the information you present on this site has helpful to me tremendously. Thank you for all your time & work.

    26 de janeiro de 2012 at 6:47 AM
  4. Mario,
    Além de todo o exposto tenho defendido em minhas palestras e aulas que avaliar simplesmente o VPL assim como você explanou trás sérias consequências negativas. Tenho defendido que importante o gestor ter um pouco de conhecimento macro-econômico do país quando o projeto está em nível do país ou até mundial. Pois é possível demonstrar que a SELIC, por exemplo, tem papel fundamental dentro da avaliação dos projetos, ainda nessa linha temos Dolar e outras fatores sociais e econômicos que não são levados em consideração pela fórmula.

    abs

    1 de fevereiro de 2012 at 5:17 PM
  5. This is all very new to me and this article really opened my eyes.Thanks for sharing with us your wisdom.

    10 de fevereiro de 2012 at 7:21 AM
  6. I drop a leave a response each time I appreciate a post on a website or I have something to valuable to contribute to the discussion. It’s a result of the passion displayed in the post I looked at. And on this article Enganados pela Viabilidade | Blog MundoPM. I was actually excited enough to leave a leave a responsea response 😉 I do have some questions for you if you don’t mind. Could it be just me or do a few of these responses look like written by brain dead visitors? 😛 And, if you are writing on additional places, I would like to keep up with you. Could you make a list every one of your public sites like your Facebook page, twitter feed, or linkedin profile?

    11 de fevereiro de 2012 at 3:27 AM
  7. I believe everything said made a great deal of sense. But, think about this, what if you were to create a awesome post title? I mean, I don’t want to tell you how to run your website, but suppose you added something that makes people desire more? I mean Enganados pela Viabilidade | Blog MundoPM is a little vanilla. You should glance at Yahoo’s home page and watch how they create news headlines to grab people to open the links. You might add a video or a related picture or two to get people interested about what you’ve got to say. Just my opinion, it would make your posts a little livelier.

    21 de fevereiro de 2012 at 6:27 AM

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.